Regulamentos, Interpretação e Discricionariedade

Código: EM-2022-2919 Marca:
R$ 38,00 R$ 34,20
até 3x de R$ 11,40 sem juros
ou R$ 32,49 via Boleto Bancário
Comprar Estoque: Disponível
    • 1x de R$ 34,20 sem juros
    • 2x de R$ 17,10 sem juros
    • 3x de R$ 11,40 sem juros
  • R$ 32,49 Boleto Bancário
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.

Autor(es):  Luciano Ferreira Leite
Edição: 1
Ano: 2022
Paginação: 121
ISBN: 9786555262919
Acabamento: Brochura
Formato: 16x23
Sinopse: 

O Estado Democrático de Direito tem como pressuposto, em âmbito constitucional, os direitos individuais e correlatas garantias.

Na interpretação dos textos legais contendo conceitos indeterminados, as autoridades administrativas valer-se-ão, invariavelmente, de método interpretativo contextual, teleológico e da aplicação da lógica do razoável.

A função administrativa é atividade do Estado que se desenvolve debaixo da lei, possuindo seu fundamento de validade nas normas legais.

O ato administrativo constitui-se comando complementar da lei, inexistindo, como regra geral, competência haurida diretamente da Constituição. Excetuam-se os casos de Regimentos Internos e Súmulas do STF.

Normas regulamentares compreendem regulamentos de execução e atos administrativos normativos, constituindo-se atos de aplicação do direito.

Regulamentos delegados têm como pressuposto de validade, previsão legislativa da mesma forma que os regulamentos de execução.

A discricionariedade não substitui a interpretação do contexto legislativo. Ademais, está presente, tão somente, em razão de competência deferida às autoridades administrativas, quando a elas compete definir e estabelecer os meios pelos quais deve a norma legal ser implementada.

Em direito público não há que se falar em lacunas, porquanto, a regra de competência rege toda a atividade administrativa.

Comportam anulação por parte do Poder Judiciário, atos administrativos supressivos ou restritivos de direitos dos administrados.

Normas permissivas constituem-se exceções de proibições e obrigações, ensejando comportamento livre.

Outras liberdades decorrem da ausência de prescrições e proibições impostas pelo Estado, tendo por base a disposição constitucional no sentido de que ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer, senão em virtude de lei.

Atos administrativos suscetíveis de anulação, por dizerem respeito a limitações ou restrições na esfera jurídica dos administrados, sujeitam-se a controle perante o Poder Judiciário.

O Mandado de Segurança é o principal instrumento assecuratório do controle de validade dos atos administrativos, sem prejuízo de outras ações judiciais reguladas por lei.

Possui tríplice objetivo: anular atos administrativos expedidos; obstaculizar a expedição de atos que estejam na iminência de o serem e impedir a expedição de atos administrativos, quando for propósito da Administração fazê-lo em desconformidade com a legislação.

Tópicos abordados do livro Regulamentos, Interpretação e Discricionariedade:

>O Estado Democrático de Direito
>Interpretação jurídica
>Discricionariedade administrativa
>Controle jurisdicional dos atos emanados do Poder Público

R$ 38,00 R$ 34,20
até 3x de R$ 11,40 sem juros
ou R$ 32,49 via Boleto Bancário
Comprar Estoque: Disponível
Pague com
  • Mercado Pago
Selos

Central de livros jurídicos do Brasil Ltda - CNPJ: 10.396.694/0001-81 © Todos os direitos reservados. 2022